Ivermectina está entre drogas mais testadas contra Covid-19, mas não atrai quem lidera pesquisas

Os dados s√£o da base internacional Clinical Trials, que compila informa√ß√Ķes sobre testes de medicamentos em pacientes no mundo todo, como local da pesquisa, quantas pessoas [...]

Ivermectina está entre drogas mais testadas contra Covid-19, mas não atrai quem lidera pesquisas

Os dados s√£o da base internacional Clinical Trials, que compila informa√ß√Ķes sobre testes de medicamentos em pacientes no mundo todo, como local da pesquisa, quantas pessoas s√£o estudadas, dura√ß√£o do experimento e metodologia aplicada (por exemplo, um grupo recebe a droga e, outro, um placebo sem medica√ß√£o).

Das 32 pesquisas registradas internacionalmente para ivermectina em pacientes, duas, no Iraque e em Bangladesh, j√° foram concluídas. Os resultados desses trabalhos, no entanto, ainda n√£o foram publicados.

Até agora, a ivermectina só deu certo para Covid-19 em células, que, diferentemente das pessoas, sobrevivem a bombardeios de remédios.

Uma pesquisa da Universidade Monash, na Austr√°lia, publicada em abril, reduziu a quase zero o material viral do novo coronavírus em testes em cultura celular de laboratório com ivermectina. Os próprios cientistas australianos, no entanto, ressaltam no trabalho que a droga é segura para humanos em doses baixas, que n√£o seriam suficientes para combater o novo coronavírus.

Os EUA também est√£o estudando ivermectina em pessoas, mas com poucas apostas: h√°, naquele país, apenas duas pesquisas com o vermífugo em andamento. Isso representa menos de 1% das investidas com drogas para Covid-19 nos EUA, que j√° registram mais de 250 experimentos de drogas com pacientes. Na lista de quem também tem estudado o vermífugo para a doen√ßa causada pelo novo coronavírus figuram países como Ar√°bia Saudita, Índia e Paquist√£o.

Países como China e Alemanha, que têm se destacado nos testes de f√°rmacos que j√° disponíveis para outras doen√ßas para o tratamento de Covid-19, ainda n√£o entraram na onda da ivermectina. H√° 119 pesquisas com outras drogas em pacientes de Covid-19 na China; nas institui√ß√Ķes alem√£s, os experimentos com f√°rmacos em pessoas somam 78 trabalhos.

Testar drogas disponíveis no mercado para novas doen√ßas é pr√°tica comum na ciência. Isso porque desenvolver uma droga nova para cada enfermidade que aparece levaria muito mais tempo do que tentar usar um f√°rmaco j√° conhecido. Mesmo assim, s√£o necess√°rias muitas etapas de investiga√ß√£o: drogas seguras para uma doen√ßa podem agravar outras.

Esse é o caso do famoso analgésico aspirina, que, se usado em pacientes com dengue, pode levar a hemorragias graves. A aspirina tem efeito anticoagulante, que pode desencadear sangramentos internos em paciente acometidos pelo vírus da dengue.

No Brasil, as três pesquisas com ivermectina com pacientes de Covid-19 foram registradas na Clinical Trials entre final de junho e início de julho, após o presidente Jair Bolsonaro ter afirmado que o vermífugo ivermectina é melhor que a cloroquina para Covid-19 "porque mata os vermes todos".

Os trabalhos est√£o em andamento na UFSCar (Universidade Federal de S√£o Carlos) com 64 pacientes, na clínica de obesidade de Brasília Corpometria Institute com 254 pacientes e no Instituto do C√Ęncer do Estado de S√£o Paulo com 176 pacientes. De acordo com as informa√ß√Ķes da Clinical Trials, as três pesquisas brasileiras terminam a partir de janeiro do ano que vem.