Politica câmara dos deputados

Audiência pública na Câmara dos Deputados debaterá violência obstétrica e mortalidade materna

As comissões de Defesa dos Direitos da Mulher e da Saúde da Câmara dos Deputados promovem, na quarta-feira (12), uma audiência pública com foco na discussão sobre a violência obstétrica e a mortalidade materna.

Por PCV Comunicação e Marketing Digital

10/06/2024 às 18:06:27 - Atualizado há

As comissões de Defesa dos Direitos da Mulher e da Saúde da Câmara dos Deputados promovem, na quarta-feira (12), uma audiência pública com foco na discussão sobre a violência obstétrica e a mortalidade materna. O debate, solicitado pelas deputadas do PT Juliana Cardoso (SP) e Ana Paula Lima (SC), visa abordar questões cruciais relacionadas à saúde e aos direitos das mulheres.

Pesquisa da Fundação Perseu Abramo aponta que uma em cada quatro mulheres já sofreu violência obstétrica no Brasil (Foto: Depositphotos)

A violência obstétrica, dizem as deputadas, pode ocorrer durante a gestação, o parto e o pós-parto. “É o desrespeito à mulher, à sua autonomia, ao seu corpo e aos seus processos reprodutivos, podendo manifestar-se por meio de violência verbal, física ou sexual e pela adoção de intervenções e procedimentos desnecessários ou sem evidências científicas”, explicam.

Veja também
Plenário do Senado analisa na terça a criação da Política Nacional de Assistência Estudantil

Desde 1996, a Organização Mundial da Saúde (OMS) traz recomendações sobre o que deve e o que não deve ser feito no processo do parto. Juliana e Ana Paula afirmam, no entanto, que em 2023 ainda era possível constatar a adoção de práticas condenáveis pela OMS. “Entendemos que o Brasil deve agir com zelo para prevenir, investigar e punir a violência de gênero”, afirmam as deputadas, no documento em que pedem a audiência.

Números da violência

Dados da Fundação Perseu Abramo mostram que uma em cada quatro mulheres já sofreu violência obstétrica no Brasil. Segundo a pesquisa "Mulheres brasileiras e Gênero nos espaços público e privado", divulgada em 2010 em parceria com o Sesc, os tipos mais comuns de violência durante o parto são gritos, procedimentos dolorosos sem consentimento ou informação, falta de analgesia e negligência.

Já a pesquisa "Nascer no Brasil", da Fiocruz, ouviu quase 24 mil mulheres entre 2011 e 2012 e observou que 30% das mulheres atendidas em hospitais privados sofreram violência obstétrica. No SUS, a taxa foi de 45%.

No ano passado, durante audiência na Câmara, vítimas de violência obstétrica denunciaram negligências médicas.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Comunicar erro
Portal Conceição Verdade

© 2024 Todos os direitos reservados ao Grupo PCV Comunicação e Marketing Digital
REDAÇÃO: 83-9.9932-4468

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Portal Conceição Verdade