Paraíba

Defesa de padre Egídio, suspeito de desviar R$ 140 milhões, pede prisão domiciliar para o religioso

.

Por PCV Comunicação e Marketing Digital

21/11/2023 às 16:16:33 - Atualizado h√°
Defesa que representa o ex-diretor do Hospital Padre Zé, o padre Egídio de Carvalho, alega questões de saúde física e mental para o pedido. Padre Egídio foi preso na manhã da sexta-feira, 17 de novembro, em João Pessoa, por suspeita de desvios de recursos do Hospital Padre Zé

Reprodução/TV Cabo Branco

A defesa do Padre Egídio de Carvalho, suspeito de comandar um esquema que desviou R$ 140 milhões do Hospital Padre Zé, entrou com um pedido junto à 4¬™ Vara Criminal de João Pessoa para que a prisão preventiva do religioso seja convertida para prisão domiciliar, alegando questões de saúde. O ex-diretor está preso no Presídio especial do Valentina, na capital paraibana, desde a última sexta-feira (17).

De acordo com a defesa, o pedido para a conversão da prisão em domiciliar está baseado no fato de o padre Egídio ter uma série de problemas de saúde física, como comorbidades, e também problemas de ordem emocional, sendo alegada uma depressão profunda.

A Secretaria de Estado da Administração Penitenciária (Seap) informou, em nota, nesta terça-feira (21), que o Padre Egídio, que tem 56 anos, apresenta um bom estado de saúde desde a prisão. Além disso, também foi informado que apenas os advogados dele fazem visitas e ele também não faz banho de sol.

O padre Egídio de Carvalho está afastado das funções religiosas desde o final de setembro, por decisão da Arquidiocese da Paraíba. Na prática, ele fica proibido de ministrar missas ou qualquer outro sacramento da igreja.

Após a prisão, a Arquidiocese divulgou uma nota afirmando que está colaborando integralmente com as investigações em curso.

LEIA TAMBÉM

Entenda investigação que aponta desvio de dinheiro no Hospital Padre Zé

Padre comprou 29 imóveis e fez gastos milionários, diz investigação

Imóvel localizado em João Pessoa investigado no caso de desvios de verbas do Hospital Padre Zé

Antônio Vieira/TV Cabo Branco

O padre Egídio de Carvalho é suspeito de ser dono de 29 imóveis considerados de alto padrão, localizados na Paraíba, em Pernambuco e em São Paulo, comprados com dinheiro desviado de recursos públicos e de investir altos valores em vinhos, decorações e obras de arte. A defesa do Padre pediu a mudança da prisão preventiva em domiciliar, nesta terça-feira (21).

A decisão judicial que autorizou a prisão preventiva do padre Egídio de Carvalho Neto traz uma série de detalhes sobre as suspeitas que cercam o religioso. E aponta uma vida de luxos e excessos, com gastos milionários que ultrapassam em muito a sua renda mensal.

Nesta decisão, consta detalhes também sobre como o dinheiro desviado era utilizado para bancar uma vida luxuosa. Por exemplo, em que pesasse o salário líquido do religioso, pago pela Arquidiocese da Paraíba, girar em torno de R$ 16 mil, era ele quem pagava a mensalidade de um curso de medicina numa faculdade particular de São Paulo, para um sobrinho, num gasto regular de R$ 13 mil por mês.

Parte dos vinhos encontrados em granja do Padre Egídio no Conde, PB

Gaeco/Reprodução

A investigação aponta que um carro novo comprado por Egídio de Carvalho Neto, avaliado em R$ 122 mil, teria sido pago à vista, com verba oriunda de recursos públicos repassados ao Instituto São José.

Foram encontrados ainda inúmeros orçamentos pagos de reforma e ambientação dos imóveis pertencentes ao padre: eletroeletrônicos de luxo "com elevado custo de mercado" peças de decoração de valores "absolutamente incompatíveis com o padrão financeiro do investigado".

Outra const√Ęncia eram gastos com móveis de luxo, imagens sacras, cristais e adornos antigos feitos em prata, cristal e madeira. Além disso, foram encontrados recibos de compra de "relíquias religiosas de elevados valores", também segundo a decisão.

Os gastos eram de toda a ordem. Para se ter uma ideia, apenas em 23 de junho de 2022, véspera das festividades de São João, o padre teria gasto R$ 29.024,13 em vinho. Ao longo de todo aquele ano, o gasto total teria sido de R$ 109.980,00 apenas com o produto.

Outras duas presas na Operação Indignus

Egídio de Carvalho Neto, Amanda Duarte e Jannyne Dantas tiveram mandados de prisão expedidos

Reprodução

Além do padre Egídio de Carvalho, outras duas pessoas são investigadas suspeitas de participarem do esquema de desvio de R$ 140 milhões do Hospital Padre Zé. De acordo com as investigações, Jannyne Dantas Miranda e Silva e Amanda Duarte Silva Dantas, ex-diretora administrativa e ex-tesoureira do Hospital Padre Zé, participaram diretamente dos desvios.

O advogado que representa Jannyne e Amanda entrou com um recurso contra a prisão das duas no domingo (19). A alegação é de que os motivos apresentados pelo Gaeco, de que elas poderiam obstruir o trabalho da Justiça, são "frágeis" para justificar a privação de liberdade.

Jannyne Dantas foi encaminhada para a Penitenciária Júlia Maranhão, já Amanda Duarte ficou em prisão domiciliar, ter um filho de 4 meses em amamentação exclusiva.

A decisão da Justiça para prender os três se fundamenta na garantia da ordem pública, a conveniência da instrução criminal e o asseguramento da aplicação da lei penal para justificar as prisões.

Ao g1, a defesa das duas mulheres afirmou que "apesar da vastidão de documentos colecionados na operação Indignus, nenhum elemento probatório dá conta de que as mesmas de algum modo tenham locupletado-se pessoalmente ou por meio de terceiros, de verbas oriundas do Hospital Padre Zé, sendo certo que, tais afirmações podem ser percebidas desde já, mas contudo, serão devida e cabalmente comprovadas no curso processual".

Milhões desviados de ajuda a moradores de rua e venezuelanos, diz Gaeco

Hospital Padre Zé, em João Pessoa

Hospital Padre Zé/Divulgação

Ainda conforme as investigações, de acordo o relatório da investigação do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público da Paraíba (MPPB), o padre também é suspeito de ter desviado mais de R$ 2,4 milhões apenas de projetos sociais que atenderiam pessoas em situação de rua e indígenas venezuelanos que estavam em João Pessoa.

Na investigação, o Ministério Público encontrou anotações no caderno de Amanda que mostram como era feito o esquema para o desvio do dinheiro nas obras sociais. Segundo o Gaeco, os pagamentos eram feitos aos fornecedores do Hospital Padre Zé e da Ação Social Arquidiocesana, que posteriormente devolviam parte do dinheiro ao religioso em forma de propinas.

Em uma anotação de 6 de setembro de 2022, Amanda enumera as "devoluções atualizadas", que somavam mais de R$ 514 mil que seriam do programa Prato Cheio João Pessoa, R$ 500 mil do Prato Cheio Guarabira, R$ 360 mil do Prato Cheio Campina Grande, R$ 760 mil dos Waraos (referência à etnia indígena venezuelana) e R$ 380 mil do programa Banho Cidadão. Um total de R$ 2,4 milhões.

Valores de 'devoluções' anotados em caderno de ex-tesoureira do Hospital Padre Zé

Gaeco/Reprodução

Existem outras anotações. Por exemplo, pagamento R$ 250 mil para assistência "pós alta" e devolução de R$ 201.160, pagamento de 659.890 para "padaria" e devolução de R$ 382.100 e pagamento de R$ 205.744 para "Enem" e devolução de R$ 105.485.

Segundo o Gaeco, o volume de dinheiro apontado no desvio ainda é parcial e a investigação continua.

Anotações apontam valores pagos e devolvidos; para o Gaeco, isso comprova propina paga a dirigentes do Hospital Padre Zé

Gaeco/Reprodução

Vídeos mais assistidos do g1 Paraíba
Fonte: G1/PB
Comunicar erro
Portal Conceição Verdade

© 2023 Todos os direitos reservados ao Grupo PCV Comunicação e Marketing Digital
Editor Chefe: Frank Edson - Contato: 83-9.9932-4468

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Portal Conceição Verdade