PB entra no 4º mês de pandemia do coronavírus com números crescentes

A Paraíba entra, neste sábado (18), no quarto mês de pandemia do novo coronavírus. O estado já contabiliza 66.971 infectados e 1.477 mortos, de acordo com o boletim mais recente da Secretaria de Estado da Saúde (SES), divulgado neste sábado (18). O primeiro caso de Covid-19 na Paraíba foi registrado em 18 de março e, o primeiro óbito, em 31 do mesmo mês.

Evolução do coronavírus na Paraíba:

  • 18 de março – 1º caso
  • 18 de abril – 236 casos
  • 18 de maio – 4.786 casos
  • 18 de junho – 31.712 casos
  • 18 de julho – 66.971 casos

O recorte dos últimos 30 dias mostra um acréscimo de 111,2% no número de casos de Covid-19 na Paraíba. Há um mês, o número de mortos pela doença no estado era 696. Em comparação com o número atual, 1.477, o salto foi de 112,2%. A Covid-19 já é uma realidade em 221 dos 223 municípios da Paraíba.

Resumo | Últimas 24h na Paraíba

  • Confirmados: 66.971(eram: 66.347)
  • Descartados: 76.179 (eram: 76.102)
  • Cidades atingidas:221 (estável)

Dentre os casos confirmados:

  • Recuperados: 24.437 (eram: 24.390)
  • Isolados em casa: 40.614 (eram: 40.068)
  • Internados: 443 (estável)
  • Mortos: 1.477 (eram: 1.446)

Mortos

Neste sábado (18), foram confirmadas mais 31 mortes por coronavírus no estado. As vítimas são 18 homens e 13 mulheres, com idades entre 37 e 90 anos. Quinze delas não possuíam, ou não informaram às autoridades de saúde, comorbidades.

99,1% das cidades afetadas

Os casos confirmados estão distribuídos por 221 dos 223 municípios paraibanos. O número mostra que 99,1% dos municípios paraibanos já registraram pelo menos um caso do novo coronavírus. Apenas as cidades de Ouro Velho e São Domingos não registraram casos confirmados de Covid-19 até este sábado (18).

Medidas de prevenção diminuem

Mesmo com os altos números de infectados e de mortos, as medidas que restringem o funcionamento de serviços como forma de prevenir a disseminação do vírus passam por relaxamento. O Estado criou um esquema de bandeiras para avaliar como cada município deve operar no plano de retomada gradual das atividades.

A escala de condições, da melhor para a pior, é a seguinte: verde, amarela, laranja e vermelha. O mapa do "Novo Normal" chegou à terceira edição no último domingo (12), com182 municípios na bandeira amarela, 23 na verde, 18 na laranja e nenhum na vermelha.

O esquema leva em consideração as taxas de obediência ao isolamento, progressão de novos casos da Covid-19 e ocupação hospitalar. Os dados são analisados em intervalos de 15 dias. Na avaliação passada, 136 municípios estavam com a bandeira laranja; 79 com a amarela; oito com a vermelha e nenhum com a verde.

Em João Pessoa e Campina Grande, municípios que concentram cerca de 40% dos casos de Covid-19 do estado, houve flexibilização do comércio, com abertura de shoppings, além do retorno e ampliação da circulação de ônibus.

Por que houve flexibilização

Outros dados importantes têm sido utilizados pelas autoridades públicas para decidir sobre as medidas de flexibilização das atividades econômicas.

Taxa de mortalidade baixa

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) atribui a baixa taxa de mortalidade de 2,2% ao alto número de testagem e à assistência adequada prestada à população paraibana.

Até a última atualização, 197.312 testes para diagnóstico da Covid-19 já foram realizados na Paraíba. Para a gerente executiva de Vigilância em Saúde da SES, Talita Tavares, ações de testagem e isolamento e os cuidados prestados ao povo paraibano foram efetivos para controlar uma doença de fácil transmissão e com o cenário pandêmico como a Covid-19 e manter a taxa de letalidade baixa.

"Trabalhamos inicialmente com os testes nas referências e portas de entrada para os casos suspeitos. À medida que ampliamos a distribuição junto aos municípios, ofertamos também os testes na Atenção Primária e captamos mais casos leves de Síndrome Gripal. Hoje, a proporção dos casos confirmados é de que 95% deles são leves. Essa estratégia de testagem ampliada foi importante para conter os casos do novo coronavírus na Paraíba", afirma.

Ocupação regular de leitos

De acordo com relatório divulgado pelo Governo do Estado em 1º de julho, a Paraíba possui 1.330 leitos destinados ao tratamento da Covid-19 pelo Sistema Único de Saúde (SUS), sendo 432 de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 898 de enfermaria.

Neste sábado (18), a taxa de ocupação dos leitos hospitalares chegou a 51% em todo o estado, um ponto percentual (p.p) a mais que os 50% do dia anterior; 57% na Grande João Pessoa, dois p.p a mais que os 55% dessa sexta (17). Em Campina Grande, estão ocupados 48% dos leitos de UTI adulto, valor menor que os 46% dessa sexta, e, no Sertão, 52%, número estável nas últimas 24 horas.

Tombo na economia

No dia 8 de julho, a Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz-PB) informou que deixou de arrecadar R$ 238,9 milhões com impostos relativos a circulação de mercadorias e serviços (ICMS), propriedade de veículos automotores (IPVA) e herança e doação (ITCD) entre abril e junho deste ano. Houve também perda de R$ 57,7 milhões no repasse do Fundo de Participação dos Estados (FPE). Os números foram divulgados no relatório que aborda os impactos econômicos da pandemia de coronavírus.

Os dados mais recentes do Cadastro Geral de Empregados Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério da Economia em maio, mostram que a Paraíba gerou 42.296 admissões e 60.950 desligamentos em empregos formais,ficando com saldo negativo de 18.654 postos de trabalho. Em todo o país, o saldo negativo é de 1.144.875.

Na última quarta-feira (15), o governo estadual apresentou um plano com 21 medidas fiscais em apoio às empresas paraibanas. A iniciativa procura amenizar o fluxo do caixa das empresas, manter empregos e reduzir a burocracia. A maior parte das medidas está direcionada às micro e pequenas empresas, optantes do Simples Nacional. Outras dessas medidas dependem ainda da anuência do Comitê Gestor do Simples Nacional e dos Estados.

Saiba mais sobre o novo coronavírus na cobertura do Portal Correio: