Quem são, onde vivem? O famoso bordão do Globo Repórter se aplica bem à uma espécie rara no serviço público e que encontra habitat ideal em terras paraibanas, talvez sua origem natural: os codificados.

Essa é uma anomalia que se arrasta por anos no ecossistema da administração pública paraibana.

Ultrapassa governos e consegue se retroalimentar mesmo sendo sua existência uma aberração afrontosa ao princípio da impessoalidade e da transparência.

Os cerca de 21 mil codificados – registrados em 2016 segundo levantamento divulgado pelo Banco do Brasil – nunca passaram por concurso público, recebem por CPF, sem vínculo direto com o Estado e não são amparados por qualquer direito.

A palavra que mais se aproxima deles é clandestinidade. Mas o custo é oficial e altíssimo: cerca de R$ 35 milhões mensais pagos pelo contribuinte paraibano, conforme as contas do TCE da Paraíba.

O mais excêntrico: entram e saem da folha do Estado por critérios que só Deus sabe, porque não há nenhuma regra, edital ou seleção de ingresso. O que deixa margem para todo tipo de manipulação, inclusive política, e fora do alcance da Lei.

O ‘codificado’ não é uma criação do laboratório do governador Ricardo Coutinho. Ele é uma evolução genética que atravessou as Eras José Maranhão e Cássio Cunha Lima.

Assombra que subsista, sem cataclismos, na contemporâneidade do atual governo e seu predatório discurso reformista e republicano. E sem riscos aparentes de extinção.

Da redação – Heron Cid
redacao@conceicaoverdade.com.br

Deixe seu comentário

ATENÇÃO: Todo e qualquer comentário publicado na Internet através do Portal Conceição Verdade, não refletem a opinião deste Portal de Notícias.

Acompanhe mais notícias do Conceição Verdade nas redes sociais:
Facebook, Twitter, Youtube e Instagram.
Entre em contato com a redação do Portal Conceição Verdade:
Telefone: (83) 99932-4468
WhatsApp: (83) 98180-8883
E-mail: redacao@conceicaoverdade.com.br